quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Paredes pretas na decoração

Você sabe usar o preto na decoração da sua casa? O preto é uma cor muita valorizada no mundo da moda por ser uma cor clássica e que combina com tudo. Sua versatilidade é incomparável com as demais cores sendo sinônimo de elegância e sofisticação. Por ser uma cor neutra, há a possibilidade de combinação com toda a paleta de cores. Isto tem sido valorizado no mundo da arquitetura e da decoração também, não apenas na aplicação da cor nos móveis e peças decorativas, mas também na pintura de paredes, nos revestimentos cerâmicos e nos papéis de parede. Vamos conferir alguns ambientes com idéias e soluções quanto a aplicação desta cor nos projetos de interiores?

Nesta sala de jantar o preto está presente no papel de parede com motivos florais. Aqui a cor foi aplicada de forma apenas em uma das paredes contrastando com a maioria dos elementos da decoração que estão em cores claras. O papel de parede deu um ar mais sofisticado e elegante ao ambiente.

No quarto do casal o preto foi utilizado nas paredes, que foram pintadas com acabamento fosco. Destaque também para vários elementos da decoração que receberam a cor preta: almofadas, cadeira, cortinas... para o ambiente não ficar muito pesado, foi feito um contraponto com cores claras, como o bege das cortinas, piso laminado, carpetes e tapetes.

Que tal utilizar o preto na cozinha, como nas pastilhas de vidro pretas ou nos móveis com vidros pretos? O contraponto foi feito com as paredes brancas e o piso em laminado amadeirado, além de utilizar objetos de decoração em cores vivas.

Nos banheiros, o preto também ganha espaço principalmente com o uso das pastilhas de vidro ou nos detalhes da bancada, dos móveis e acessórios. O contraponto é feito com as louças na cor branca. Mas já é possível encontrar no mercado louças pretas também.

Nesta sala de estar o preto dá espaço para a criatividade, onde preto e grafite fazem fundo para os móveis e peças da decoração em cores fortes. Um espaço moderno e fora do convencional. Destaque para a escada amarela com degraus em balanço.

 No quarto, o preto é destaque tanto na parede quanto no mobiliário seja na cabeceira da cama ou nos detalhes. Um cinza escuro pode ser utilizado para não deixar o ambiente tão escuro. O restante das paredes na cor branca garante o equilíbrio.

Aqui na sala o preto serve como meio de destacar o mobiliário colorido. A utilização de cores fortes no sofá e no tapete fica ainda mais evidência, e deixa o ambiente ao mesmo tempo sofisticado e descontraído.

Nesta sala de jantar o preto é utilizado juntamente com materiais natuais tais como a madeira do piso e a pedra da parede, deixando o ambinete ainda mais elegante e atemporal.

 Na cozinha o preto pode ser explorado tanto nos revestimentos quanto no mobiliário. Aqui os revestimentos são combinados com o branco, para não deixar o ambiente tão pesado, e o mobiliário recebe a cor em contraponto com os equipamentos.

 O mesmo principio utilziado nas cozinhas pode ser utilizado nos banheiros: os equipamento e louças recebem a cor natural, enquanto que os demais elementos do ambiente recebem a cor branca, equilibrando o ambiente.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Residência do mês

A Haifa House é uma residência construída no centro de uma avenida histórica de Haifa, em Israel. Projetada pelo escritório Pitsou Kedem Architects, a casa possui um estilo da Bauhaus, bastante comum naquele país. Com desenho de linhas retas, simples e sem muitos ornamentos, a Haifa House conecta estilo contemporâneo com o espírito do século passado. A sofisticação e o minimalismo que existiam na época áurea do período de Bauhaus foram traduzidos, nesta última reencarnação, em uma pureza espacial e contenção de prestígio.



Além do desenho purista e do estilo minimalista, a continuidade espacial é destaque no projeto. Um grande e aberto espaço central interliga todos os ambientes da residência, graças ao grande pórtico que abraça os espaços internos. Apesar da casa se fechar para a rua, ela é totalmente voltada para o pátio interno, onde é possível ter uma visão geral de todos os espaços da residência.

 


O uso dos materiais sem revestimento, apesar de toda a estrutura ser em cocreto armado e ter recebido pintura na cor branca, valoriza ainda mais o projeto. Concreto aparente, madeira, pedras e vidro foram utilizados em combinação com as cores branca, preto e cinza para os interiores, o que traz um ar contemporâneo e sofisticado ao projeto. O uso dos grandes panos de vidro é permitido graças ao grande pórtico que protege os interiores. Eles permitem a integração interior-exterior e a passagem da luz.



A fim de fortalecer ainda mais o impacto do espaço central, o mesmo foi revestido com painéis de concreto aparente e uma grande biblioteca na parede como um motivo de destaque. O pé-direito duplo dá idéia que a cobertura está flutuando, ao mesmo tempo que permite a integração visual e espacial. A Haifa House tem uma área total de construção de 550 metros quadrados em um terreno de 1000 metros quadrados.



O minimalismo está presente não apenas na estrutura, mas também nos interiores. A linguagem limpa e de linhas retas está presente no mobiliário e nos elementos construtivos, como na escada com degraus em balanço. Funcionalidade e conforto são as principais preocupações do arquiteto. As cores neutras dos elementos construtivos permitem a utilização de mobiliário com cores fortes e peças decorativas de destaque.

Fonte das imagens: Site do arquiteto: Pitsou Kedem Architects

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Casa Cor Pernambuco 2011 - parte I


De 09 de novembro a 13 de dezembro, em Olinda-PE, aconteceu a Casa Cor Pernambuco 2011 e nós estivemos lá para conferir tudo de pertinho e trazer as novidades. Em sua 15ª edição, ela trouxe como tema “Dia a dia com a tecnologia” e teve como objetivo unir o moderno com o antigo em um mesmo lugar. A mostra esteve abrigada em residências tombadas pelo Patrimônio Histórico, localizadas nas proximidades do Cine Olinda.


 Ocupando uma área de cerca de 5 mil m², a qual foi decorada por uma equipe de 74 profissionais, entre designers, arquitetos, paisagistas e decoradores, expôs 38 ambientes diferentes. Contou ainda com projetos de restaurante, sorveteria, cervejaria, lojas e um cinema, utilizado para a projeção de imagens dos ambientes expostos. Aqui vão alguns dos ambientes que a gente conferiu por lá e todos os detalhes.


O terraço conta com cadeiras laranjas em plástico e mesinha em madeira e fibra natural em um dequê de madeira sintética. Projeto


O ambiente do lounge de entrada e bilheteria tem um toque clássico pelo desenho do mobiliário, mas ao mesmo tempo moderno, com o uso de materiais como o acrílico. Projeto de Cyndia Vaz.


No Jardim das Ruínas crido por Lenira de Melo e Bruno Moreno, cadeiras, espreguiçadeiras e mesinhas em fibra natural dão um toque rústico e aconcheganteao terraço.


O living chama atenção pela utilização de cores complementares e constrastantes como azul e laranja. O piso em mármore carrara e silestone azul foi destaque, como também a estante colméia na cor laranja. Projeto assinado por André Caricio.


O lavabo também mistura ares clássicos com modernos. Chama atenção o revestimento das paredes em blocos cimentícios com efeito tridimensional e bancada em madeira misturado com o estilo Luiz XV. Projeto de Carla Marques e Isabela Nadler.


O ambiente sofisticado do home theater desenhado por Josemar Costa Junior traz cores claras e muito conforto seja no uso das poltronas Ekornes ou nos amplo sofá Nouvelle da Decameron. Destaque para o forro pintado na cor marron.


 Por fim, a biblioteca ganha destaque pela cadeira desenhada por Roberta Borsoi. Um ambiente simplesmente multicultural. Aguardem, pois próxima semana traremos a segunda parte da Casa Cor Pernambuco 2011.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Dia do arquiteto


O ARQTED não poderia deixar de registrar e parabenizar neste dia a todos os arquitetos do país pelo seu dia. Dia mais que merecido para exaltar a importância destes profissionais em contribuir com o desenvolvimento da sociedade. Parabéns por tornar possível a projeção de sonhos em realidade construída.

Parabéns a todos os colegas de profissão!

"Arquitetura é antes de mais nada construção, mas, construção concebida com o propósito primordial de ordenar e organizar o espaço para determinada finalidade e visando a determinada intenção. E nesse processo fundamental de ordenar e expressar-se ela se revela igualmente e não deve se confundir com arte plástica, porquanto nos inumeráveis problemas com que se defronta o arquiteto, desde a germinação do projeto, até a conclusão efetiva da obra, há sempre, para cada caso específico, certa margem final de opção entre os limites - máximo e mínimo - determinados pelo cálculo, preconizados pela técnica, condicionados pelo meio, reclamados pela função ou impostos pelo programa, - cabendo então ao sentimento individual do arquiteto, no que ele tem de artista, portanto, escolher na escala dos valores contidos entre dois valores extremos, a forma plástica apropriada a cada pormenor em função da unidade última da obra idealizada. A intenção plástica que semelhante escolha subentende é precisamente o que distingue a arquitetura da simples construção."  (Lúcio Costa)

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

O que é um LOFT?

 O loft é uma construção originalmente da cidade de Nova Iorque e que se popularizou e consagrou mundialmente a partir dos anos 60. Antigos espaços industriais, tais como galpões e fábricas, desativados ou inutilizados, foram reciclados e passaram a abrigar espaços residenciais, depois que a Prefeitura de Nova Iorque revitalizou o entorno destas edificações. Até então, se tornaram uma opção de moradia barata, pois podiam abrigar em um mesmo lugar a casa e a área de tabalho de muitos profissionais. 




Por serem construções amplas, com pé-direito amplo e vãos livres, os lofts cairam no gosto de profissionais liberais, artistas, publicitários e executivos, o que acabou elevando seus preços, ainda nos anos 70. Pela ausência de divisões/paredes internas, um mesmo salão dá lugar a sala, quarto, cozinha, banheiro e ateliê/escritório, o que confere um ambiente ao mesmo tempo despojado e sofisticado. Amplas janelas garantem a iluminação natural em seu interior e grandes vistas para a cidade.




Os lofts de Nova York ainda se caracterizam pelos mezaninos de madeira ou ferro, seus grandes elevadores de carga, tijolos das paredes aparentes, partes elétrica e hidráulica expostas, piso em concreto, estruturas em aço ou tubos de alumínio, e ainda, estrutura com vigas e pilares expostos. Tais caracteristísticas vem sendo alteradas para tornar os lofts mais aconchegantes. Já é possível ver projetos com presença de forros em gesso, pisos em madeira, paredes internas revestidas ou pintadas em branco, etc.




No Brasil, o conceito de loft ganhou outra conotação se distanciando bastante do conceito do loft nova iorquino tradicional, primeiramente pelo fato de não serem abrigadas em antigas construções industriais, e segundo pela própria organização programática. Aqui, o loft é caracterizado erroneamente pelo mercado local como sendo um dúplex, com construções de pé-direito duplo e grandes janelas, em que a área social se confunde com a de serviço. A ala íntima, com quarto e banheiro, fica resguardada em um mezanino. 



 

Outra coisa que diferencia as duas tipologias (se é assim que podemos chamá-las) é quanto a própria origem: os lofts americanos nasceram da "reciclagem" de antigos galpões fabris abandonados, enquanto que os lofts brasileiros, chamados de lofts-fake ou apartamentos loft-inspired, já nascem lofts sem nem serem realmente. Independente das semelhanças e diferenças entre eles, ambas as tipologias fazem sucesso e são vendidas por preços elevados em seus respectivos mercados.


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Reidy - o filme

 

Estreou no último dia 11/11/11, "Reidy - a construção de uma utopia", de Ana Maria Magalhães. O filme é de 2009, mas sua estréia ainda que tardia, não tira o mérito dessa homenagem cinematográfica a uma dos mais importantes arquitetos modernos da historiografia da arquitetura brasileira. O filme já foi bastante premiado e exibido em festivais de cinema dentro e fora do Brasil, e agora passa a ser exibido nos cinemas nacionais.

Trailer do filme

Reidy, batizado Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), nasceu em Paris e foi radicado para o Rio de Janeiro onde desenvolveu os principais projetos de sua carreira, sendo considerado um dos pioneiros da arquitetura moderna brasileira. Obras-primas como o Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes, conhecido como Pedregulho (1947), com o qual ganhou a Bienal de 1953, e o Museu de Arte Moderna (MAM), pojetado em 1952, o consagraram pelo apuro técnico, mas principalmente pelo arrojo espacial e senso de urbanidade.

 
      O Conjunto Habitacional do Pedregulho  

 
O Museu de Arte Moderna (MAM/RJ)

"A atualidade de sua obra permite abordar, entre outros temas, o problema da habitação com o crescimento das favelas, o apartheid urbano na divisão entre bairros ricos e pobres, a função social da arquitetura e a capacidade de ação da utopia em transformar o que se pensa e deseja em realidade concreta e construída. No momento em que a crescente importância das cidades no desenvolvimento dos países valoriza mundialmente o urbanismo, o trabalho de Reidy nos revela o quanto a arquitetura é decisiva para a vida dos habitantes das cidades". 

Reidy e o MAM

Eu particularmente tenho verdadeiro apreço pela obra desse arquiteto, em especial por ele ser um dos pioneiros do brutalismo brasileiro - temática pela qual tenho bastante interesse e estudo. Apesar do filme tratar não da vida, mas da obra do arquiteto, tornando-o muito mais técnico do que ficcional, ou talvez documental, eu recomendo a todos, quer sejam arquitetos ou não, pois ele tira do anonimato um importante personagem de nossa história, principalmente para a história da cidade do Rio de Janeiro.

Título Original: Reidy - A Construção da Utopia
Gênero: Documentário
Diretor: Ana Maria Magalhães
Produção: Brasil
Distribuição: Espaço Filmes
Classificação Indicativa: Livre
Duração: 77 min.

Veja mais no blog oficial do filme  Reidy-o filme

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Piscinas de raia

O conforto e a praticidade de ter uma piscina de raia em casa está atraindo a atenção de muitas pessoas na hora de construir um desses equipamentos na área de lazer. Em cada dez novas construções residenciais, nove delas tem uma piscina de raia. Você sabia? Segundo os especialistas, elas são a mais nova forma de lazer instaladas em residências de alto padrão, mas também estão ganhando espaço nos condomínios residenciais multifamiliares.

               Projeto de Eduardo Chimabucuro: borda de porcelanato antiderrapante; deque de pínus; raia de 2 x 12,5 x 1,40 m e o spa (2 x 2 m) com hidromassagem.

Piscina de raia com spa. Deque em madeira de lei e revestimento em pastilhas na cor verde-turquesa. Projeto de Márcio Kogan.

Elas são perfeitas para quem deseja praticar natação em casa já que suas dimensões são quase olímpicas e fogem das dimensões das piscinas retangulares tradicionais. Elas podem ter desde 12,5m até 25m de comprimento, e largura mínima de 2m, o que demanda um espaço generoso no seu terreno. A profundidade mais indicada fica em torno de 1,30m e 1,50m,  chegando até 1,80m em alguns casos. É importante lembrar também que deve ser feita uma marcação direcional no fundo da piscina para orientar os nadadores.

 A piscina com raia se funde com uma piscina retangular tradiconal, e ao fundo, com o spa. Borda em pedra cimentícia; revestimento em cerâmica 10x10cm.

A marcação direcional é feita no fundo da piscina, geralmente numa cor mais clara do que o revestimento utilizado, e separa as raias. Projeto de Paula Mattar

As opções de revestimentos, bordas e pisos são variadas. Azulejos, cerâmicas ou pastilhas podem ser utilizadas como revestimento, geralmente em tons de azul. Para as bordas e pisos recomenda-se que sejam antiderrapantes e que não aqueçam com o calor do sol (atérmicas). Geralmente são utilizadas pedras naturais ou placas cimentícias, ou então são feitos os deques em madeira de lei, que deixam a piscina ainda mais charmosa e confortável.

Projeto de Luciano Decourt: borda em arenito vermelho; deque em madeira e revestimento em vinil especial na cor azul-marinho. 

 
Piscina de raia com prainha e banheira de hidromassagem anexos em sua lateral: borda em mármore; revestimento em pastilhas e deque em madeira de lei.

Não é recomendado a construção de degraus ou bancos em seu interior com o intuito de não criar barreiras que possam causar acidentes. É preferível deixar a raia totalmente livre, e fazer pequenos anexos e degraus em suas laterais, combinando as prainhas ou as piscinas infantis, para atender às crianças, ou spas e banheiras de hidromassagem para os adultos relaxarem.

Sauna circular e escada ficam anexos ao corpo principal da raia. Aqui, os tons diferentes de azul dos revestimentos chamam atenção para as diferenças de nível da piscina.

Aqui os degraus da escada foram feitos na lateral da piscina com raia de 25m e e 3 m de largura. No entorno, fulget e deque de ipê evitam escorregões. Projeto de Renato Marques.

A iluminação subaquática é uma boa opção para os nados noturnos e para deixar a sua piscina ainda mais bonita. Ela pode ser feita através de lâmpadas de LED. As piscinas cobertas e/ou aquecidas são uma boa opção para as residências localizadas em regiões frias ou serranas. Com a ajuda de um aquecedor ou gerador de calor (caldeira), a temperatura pode variar bastante.

Piscina coberta e aquecida com iluminação subaquática garatem a prática da natação durante a noite. Sauna, raia (1,95 x 12,60 m, com 1,45 m de profundidade) e spa recebem revestimento em pastilhas em tons de verde. Projeto de Marcio Kogan.
Piscina de raia e borda infinita com iluminação subaquática em apenas um dos lados. Projeto Marcio Kogan.