quarta-feira, 28 de março de 2012

As etapas do projeto de interiores


O projeto de interiores nem sempre segue as mesmas etapas do projeto de arquitetura, podendo o escopo do serviço variar enormemente, de acordo com a complexidade do ambiente e com o tipo de interferência a ser feita no espaço. Em geral, nestes casos, ocorre uma diminuição nas etapas, mas um grande aumento no nível de exigência dos detalhes. Este tipo de projeto pode variar da simples decoração, com troca de cores, estofados e objetos, até uma interferência maior, com mudança de localização de ambientes ou construção de novos pavimentos. Descreveremos a seguir as etapas mais comuns do projeto de interiores:

O Levantamento/Visita ao Local
Como no projeto de arquitetura, é uma visita prévia ao local, na qual são medidas as dimensões dos ambientes, indicando todos os vão e relacionando possíveis móveis que serão aproveitados no projeto. É através dele que se elabora a planta para a realização do estudo.

O Estudo Preliminar
Nesta fase, são apresentadas propostas para a decoração do interior do imóvel e possíveis intervenções, através de plantas de layout, vistas ou perspectivas e, verbalmente, é descrito as como ficará o ambiente.
Podem, como vimos no projeto de arquitetura, ser apresentadas mais de uma opção e o estudo refeito, caso o cliente não fique plenamente satisfeito.

O Projeto Legal
No caso dos projetos de interiores, ele pode ou não ser elaborado, dependendo do tipo de serviço a ser realizado. Simples trocas de acabamentos não exigem licença e podem ser realizadas sem aprovação.

O Projeto Executivo
Esta é a fase em que são elaborados os desenhos para entrega ao cliente, para a execução da reforma. Normalmente, são entregues plantas, cortes e vistas, com especificações gerais dos acabamentos e materiais utilizados, podendo ser especificados desde interruptores a móveis. Em alguns casos, quando a execução da obra fica a cago do arquiteto, os desenhos são mais simplificados, por ele acompanhar a obra constantemente.

O Detalhamento
Esta é a etapa mais importante, pois é nela que serão realizados os detalhes do projeto. Encaixes, arremates e pequenos acabamentos são definidos no papel, auxiliando a execução. Dentro desta etapa, temos, na maioria dos casos, os detalhes de marcenaria indicando as dimensões e os materiais que comporão o móvel, através de plantas, vistas e cortes da peça. Estes desenhos contêm todas as informações necessárias para o profissional que confeccionará e realizará o serviço. Também estão inclusos os detalhes de forro e granito.
 
Através da troca de informações com o cliente, pode-se chegar a resultados altamente satisfatórios, onde cada coisa tem seu lugar. Uma única peça pode transformar o ambiente, abrangendo funcionalidade e beleza.
Com a redução dos espaços internos dos apartamentos atuais, esta etapa tomou lugar de destaque nos projetos contemporâneos, apresentando soluções versáteis e dinâmicas, otimizando ao máximo os espaços, aumentando sempre a sensação de bem-estar dos usuários. 

A criação de um móvel não requer simplesmente uma conversa com o profissional que vai executá-lo. É unânime que um bom marceneiro ou serralheiro é peça fundamental para um bom resultado final, no qual se destacam o bom acabamento e o uso de materiais de qualidade. Desta forma, obtemos o equilíbrio das formas e materiais com o ambiente existente, elaborando peças exclusivas feitas para o seu espaço.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Residência do mês

O projeto da residência do mês chama atenção pela transformação do antes no depois. Explico! Nico van der Meulen Architects projetou uma remodelação de uma casa da década de 1950, na África do Sul, para atender as novas necessidades dos moradores. A proposta de casa térrea foi mantida, apenas ganhou um pé-direiro mais alto dando um toque mais urbano e contemporâneo ao projeto. Alterações e adições foram feitas no edifício original para permitir um programa com quatro quartos e grandes áreas de lazer. 

Antes


Depois

A mudança incluiu a troca do telhado inclinado e de telhas aparentes, por telhados planos protegidos por platibandas. Porém, o que mais chama atenção na remodelação é a abertura da residência para o exterior. Isso resultou uma casa dividida em espaços públicos e privados. Grandes esquadrias vedadas com vidros reservam os interiores das intemperies, mas permitem a transparência necessária para integrar interior-exterior.

Antes


 A mudança foi total também nos interiores da residência. O uso de mobiliário e obras de arte especificamente escolhidos, que foram usados ​​como indicações visuais. Usando uma paleta neutra, o escritório foi capaz de criar um ambiente acolhedor, trazendo em toques de cor, através dos acessórios ricos, e de um mobiliário rico e de destaque. O uso da madeira seja no mobiliário seja nos pisos também contribuiu para o clima quente e de aconchego no interior da residência.

  Antes


Outro ponto de destaque no projeto é a area externa com piscina com borda em vidro (ou seria acrílico?). Com dimensões de piscinas semi-olímpicas, ela pode ser vista do interior da sala de estar e de jantar. Para entrar nas áreas privadas da casa, deve-se cruzar uma ponte sobre ela e sobre a água que adentra para o interior da residência e que divide os espaços públicos e privados, separando o hall de entrada e de estudo da casa privada. Um jogo de desníveis e de revestimentos diferenciados também ajuda na setorização dos ambientes.







Mais informações e imagens podem ser obtidas no site do escritório Nico van der Meulen Architects

quinta-feira, 8 de março de 2012

Varandas

As varandas são espaços muito utilizados para descansar, receber amigos e apreciar a paisagem. Ela é desejo de quem mora em apartamentos (ou em apertamentos), mas é muito comum em casas também, afinal elas são a parte da casa que faz a transição entre o interior e o exterior (o jardim). Hoje elas são sinônimo de espaço de estar, lazer e de convivência social e familiar. As dimensões aumentaram e integraram-se a ela outras funções, como churrasqueiras e cozinhas gourmet, facilitando a vida de quem gosta de receber nestes ambientes. Selecionamos alguns exemplos de varandas de apartamento e casas, com idéias muito bacanas que você pode aproveitar para reformar ou construir a sua.

Destaque para a madeira do mobiliário e do pergolado, além da parede de ladrilhos hidráulicos com motivos geomátricos projetados pela arquiteta Flavia Gerab.

Madeira, cerâmica e mármore nas bancadas são os materiais de destaque desta varanda, fechada e protegida por vidro. Proejto do arquiteto Gustavo Motta.

Varanda com espaço gourmet, pia, cooktop e churrasqueira. Destaque para a mesa com banquinhos e para os jardins verticais nas laterais. Projeto de Daniella e Priscilla Barros.

A madeira de demolição no piso e as muitas plantas são destaque nesta varanda. Projeto de Odilon Claro.

Varanda em estilo moderno e contemporâneo ao unir elementos rústicos com mobiliário em materiais como aço inox, marmoglass e acrílico. 

Varandas pequenas ganham grandes soluções: a mesa com rodízios, que serve de bancada. Na parte de baixo, a peça tem compartimentos para mantimentos e utensílios. Projeto do arquiteto Ricardo Caminada.

Tijolinhos a vista, cimento queimado no piso, ladrilhos hidráulicos e muita madeira no mobiliário deixam essa varanda com ares rústicos e com cara de casa de campo. Projeto da designer de interiores Marina Linhares.

Espaço moderno que associa aço inox, pastilhas de vidro e madeira, com móveis de design moderno. Projeto do designer de interiores Fernando Piva.

Varanda contemporânea com destaque para o mobiliário em madeira, aço inox e fibra natural. Muito verde para deixar o ambiente com um clima mais ameno e aconchegante.

A área gourmet do pátio também passou por uma remodelação: churrasqueira e forno de pizza foram revestidos com pedra-madeira (Pedras Bandeirantes) e ganharam detalhes de aço corten nas bordas ao redor da grelha e na chaminé. 
Projeto da arquiteta Patricia Martinez