quarta-feira, 27 de março de 2013

Residência do mês

A residência do mês é a GP House, do escritório mexicano Bitar Arquitectos construída, em 2011, na cidade de Hidalgo no México. Com uma área total de 516 metros quadrados, a residência tem uma planta simples e quase quadrada, mas uma volumetria bem dinâmica pelo jogo que é feito com as lajes de teto. A casa contém os espaços básicos necessários: sala de estar, sala de jantar, quartos, sala de família, etc, distribuídos em dois andares ligados por uma escada concentrada em um volume vertical que quebra a horizontalidade que predomina formalmente a casa. A intersecção é evidenciado pelo uso de uma pedra local como o acabamento para o volume da escada, enquanto o resto do volume é concebido de concreto.


 

O programa é dividido em área social e área íntima. Na área social, a sala de estar, com pé-direito duplo, fornece o espaço com uma sensação de amplitude; sobre ele se projeta um volume que contém a sala de televisão. Este volume é no andar de cima e é cercado por uma estrutura de madeira, que privacidade para o espaço, mas também permite que a luz natural na sala de televisão. O uso do concreto aparente é extensiva nessas áreas e dá um aspecto contemporâneo, tanto pelo desenho reto e minimalista, quanto pelo uso de uma paleta restrita de materiais.



O quarto principal no piso superior e da área pública (sala de estar, sala de jantar e sala de jogos) compreendem a fachada posterior, que foi quase totalmente envolto em vidro, a fim de conceder leveza à estrutura de concreto. Isso também permitiu para essas áreas para manter a sua continuidade e para apreciar a vista do campo de golfe, de alguma forma, eliminando a barreira visual entre os dois espaços, interiores e exteriores. Um espelho d'água delimita esta fachada.

Planta baixa do pavimento térreo

Planta baixa pavimento superior

O uso de materiais naturais, tais como o mármore e pedra para pavimentos, predomina. Algumas paredes foram concluídas com estes materiais, alguns foram concluídas em concreto e alguns foram pintadas em tons neutros. Para contrariar esta situação, a noz foi usado para painéis de parede e portas, que oferece calor para o espaço. Alguns elementos metálicos são destaque, como as colunas em forma de cruz e as grades, projetados especialmente para este projeto.



 
O projeto de iluminação pretende não só cumprir com sua função básica, mas também esteticamente enfatizar objetos, vegetação e fachadas. Cúpulas foram abertas em zonas específicas para tirar vantagem da iluminação natural, o que, juntamente com os materiais escolhidos, gera um jogo interessante de luz e sombra valorizando os materiais. GP House é um espaço contemporâneo projetado de acordo com elementos lineares.





Fonte: Adaptação a partir de Arch Daily e do site dos arquitetos

quarta-feira, 20 de março de 2013

Projeto de decoração de bares

O tema de hoje é sobre projetos de arquitetura de interiores para bares. É importante destacar que o projeto de interiores para bares não tem uma regra específica, uma vez que são ambientes temáticos, se é que possamos assim denominar, ou muito mais conceituais. A decoração vai depender bastante da idéia do cliente ou empresário, do tipo de empreendimento, do público-alvo, e até mesmo do espaço disponível para o empreendimento.

Desse modo, o bar pode ser um espaço mais intimista com uma ambientação mais sóbria e clássica, ou mais descontraído, com uma ambientação mais despojada e temática. No primeiro caso, o projeto de iluminação trará um ar suave e aconcehgante para o espaço, fazendo uso principalmente da iluminação indireta; e no segundo caso, pode ser uma iluminação mais forte e direta, podendo utilizar cores. Os materiais utilizados nos interiores também podem variar dependendo da proposta. Troxemos alguns projetos de arquitetura e interiores de bares diferentes e criativos para a gente se inspirar.

O Bar Armazém (2009), em Belo Horizonte, ostenta um generoso pé-direito interno, ornamentado por prateleiras cenográficas feitas com madeira pinus que abrigam alguns dos itens (ainda em produção) comercializados antigamente naquele espaço. Projeto Isabela Vecci.

O Bar Escape (2007), em São Paulo, representa uma proposta mais intimista com uma ambientação limpa e contemporânea, além de poucos elementos distribuídos harmonicamente em pés-direitos elevados. Detalhe para a iluminação indireta através de sancas que iluminam o detalhe superiror das paredes. Projeto do Studio Arthur Casas.

O projeto do Real Botequim (2009), em João Pessoa, com 400 metros quadrados, traz um ambiente descontraído e charmoso,  principalmente pela decoração que mistura ladrilhos hidráulicos no piso, azulejos nas paredes e garrafas de cerveja no teto. Projeto do escritório Santos & Santos Arquitetura.

O Bozen Bar (2012), em Portugal, ocupa uma área de 456 metros quadrados e traz uma decoração mais sóbria e clássica, com materiais nobres e iluminação indireta com esses detalhes no teto, que são uma releitura do muxarabins orientais. A proposta foi criar uma espaço quase como um living room. Projeto do escritório Central Arquitectos.

O Bar 4P's (2012), no Vietnam, é uma proposta intimista e tradicional. Com um teto alto e arqueado, favorecendo a iluminação indireta, o bar recebeu revestimento em mármore e o piso cimentício na cor roxa, além do balcão com azulejos. Projeto do escritório 07BEACH Architectural Design Studio.


O bar La Bohème (2011), em Portugal, traz um espaço em que a estrutura e a textura da madeira são destaque, trazendo aconchego ao bar. O mobiliário é simples com desenho reto e tradicional, e a iluminação é direta, porém dispersa pelos ambientes. Projeto do AVA - Atelier Veloso Architects.

O bar temático Miss Sunshine, localizado dentro do avião da Airbus da Virgin Atlantic Airways (que faz o trajeto Londres Nova Iorque), é uma proposta futurista e também luxuosa. Possui decoração com cores fortes e linhas e formas que fazem alusão ao movimento de um voo, além de iluminação indireta de neon. Projeto do escritório inglês VW+BS

quinta-feira, 14 de março de 2013

Banheiros com banheira

Para quem deseja ter uma banheira em seu projeto, e possui um espaço com metragem compatível aos tamanhos mínimos existente no mercado, temos uma boa notícia: as indústrias brasileiras já desenvolvem modelos que evitam reformas gigantescas, com formatos e tamanhos compatíveis com os banheiros reduzidos, além de oferecer acessórios avulsos, que podem ser adquiridos conforme o orçamento do consumidor. Portanto, com um bom planejamento, é possível ter uma banheira completa, sem alterar o custo da obra. 

Há modelos especiais para adaptação em todos os ambientes, incluindo varandas e home theater, pois hoje a banheira não é mais um produto restrito aos banheiros. O que pode gerar limitações na instalação é a metragem do espaço disponível, isto porque muitas fábricas não produzem banheiras com menos de 1,5 metros de comprimento, ou seja, com tamanho necessário para um banho de imersão completa. Tanto os tamanhos quanto os formatos são variados, o que favorece a instalação em qualquer espaço disponível.

 
Exemplo, de alguns modelos com tamanhos e formatos de banheiras disponíveis no mercado
CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

É sempre bom lembrar que mesmo usando banheiras feitas sob medida, as banheiras necessitam de um espaço mínimo para obter o correto posicionamento do corpo para aproveitamento total do banho de imersão. Além da metragem de comprimento, é conveniente que o local tenha também altura adequada para a profundidade da banheira. As medidas podem oscilar, de acordo com a necessidade da família, do tipo de uso e das características do projeto. 

Esquema com os componentes elétricos e hidráulicos necessários para instalação de uma banheira
CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Depois de instalada e pronta para uso, a banheira exige alguns cuidados de manutenção. A falta de limpeza pode provocar a formação de fungos e bactérias, principalmente sobre os rejuntes. Exageros no uso de sais de banho ou outros produtos também são prejudiciais, e devem ser evitados. É importantebom saber que uma boa banheira não se deforma, principalmente aquelas feitas em aço estampado, que resistem muito bem aos esforços. E as tonalidades de cores se mantêm ao longo de vinte anos. Banheiras mais rígidas facilitam a manutenção, pois não é preciso trocar os rejuntes, que não sofrem movimentos de tração.Vamos conferir alguns projetos bacanas de banheiros com banheira!

A hidromassagem, instalada em uma das laterais do espaço, tem a companhia de duas caixas de vidro temperado. Uma guarda o chuveiro, enquanto a outra acomoda vaso e bidê. Amplitude, boa iluminação e acabamentos práticos são outras características marcantes deste ambiente. Projeto de Paula Mattar.

 
Compacto, este banheiro para casal tem banheira anatômica foi instalada no canto da parede permitindo melhor aproveitamento do espaço disponível. A base da banheira foi revestida em mármore carrara, assim como o piso e o rodapé alto. Projeto da arquiteta Jóia Bergamo.

 
A banheira é totalmente independente do lavatório neste projeto. Destaca-se o limestone cinza, pedra empregada no revestimento de paredes e piso. O luxo fica por conta de dois modelos diferentes de chuveiros, que permitem a escolha do jato de água preferido ou ainda banhos simultâneos. Projeto de Simone Mantovani.


O ponto alto do projeto é a banheira Smart Hydro, da I-House, que pode ser acionada através da internet (de qualquer computador, smartphone ou tablet) ou de um controle ao lado da cabeceira da cama, o Smartcontrol. A proposta mistura características clássicas e elementos modernos. Destaque para o deck de madeira de demolição. Projeto Rogério Perez.

A banheira aqui é uma peça única e de destaque e faz um contraponto com as louças e bancada de laminado brilhante com duas cubas de apoio da Roca com estampas Nova Iorque. O piso vinílico amadeirado compõe com porcelanato escuro completando o design. O box amplo é equipado com duas duchas de teto. Projeto da arquiteta Ana Bartira Brancante.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Home Staging ou Retrofit

Hoje trouxemos um tema que é novidade aqui no Brasil, mas que já faz sucesso nos Estados e na Europa: chama-se home staging ou retrofit. Você já ouviu falar? Literalmente, o termo home staging significa encenação da casa. Na prática, o home stager (como o profissional da área é chamado) tem diante de si a função de transformar a decoração de imóveis usados que estão à venda para torná-la mais atraente para possíveis compradores ou locatários. Esse processo de melhorar, modernizar, customizar ou tornar mais atrativo um imóvel é mais comumente conhecido como retrofit. Nos Estados Unidos, estima-se que o remodelamento da decoração de um imóvel usado reduza em 78% seu tempo de venda.

 
Antes e depois de um quarto que passou pelo home staging: as paredes foram pintadas 
de cores neutras e os objetos pessoais foram tirados de cena. Projeto: Real Staging

É interessante destacar que só mais recentemente, o mercado passou a reconhecer o processo como válido, pois até então, eram técnicas bastante comuns na Europa (o retrofit é mais comum), em razão da grande quantidade de imóveis antigos existentes e da escassa disponibilidade de espaços vazios para novas construções. Ao chegar nos EUA e no Canadá, o retrofit e o home staging ganharam destaque e impulso pelo fato de nos países norte-americanos as condições serem opostas às européias. A diferença entre eles é que o home staging é um retrofit mais superficial, já que trabalha mais com a parte dos interiores de uma edificação, enquanto que o retrofit é mais profundo, pois mexe com toda a estrutura da casa desde os interiores e exteriores até as partes elétricas e hidráulicas.

 Home staging em uma cozinha: retirada dos objetos pessoais e pintura das
paredes. Projeto: Real Staging

Não confundir essa atividade com os tradicionais projetos de decoração. “No designer de interiores, você faz o projeto de acordo com a personalidade do cliente”, explica a home stager Susana Damy-Lacy. “O home staging, ao contrário, tem o objetivo de ‘despersonalizar’ o ambiente para que o comprador ou locatário se identifique com a nova casa ou novo apartamento”. Por isso, no projeto final de home staging saem de cena porta-retratos, acessórios mais pessoais e móveis em excesso. “Precisamos deixar a casa com uma circulação boa para que o comprador tenha uma noção real do espaço”, diz a fundadora da consultoria Staging Desing. Em alguns casos, o home stager projeta até algumas mudanças arquitetônicas – como pintura de paredes para cores mais neutras.

Antes e depois de uma sala de estar: repaginada nos móveis, na paredes e nos detalhes. 
Projeto: Home Staging Montreal (Canadá)

Para maximizar as chances de vender ou alugar um imóvel, o ideal é prepará-lo antes de colocá-lo no mercado. Por esse motivo, é interessante chamar um arquiteto ou designer, que são os profissionais por formação que podem desempenhar o trabalho de home staging e retrofit, antes mesmo de mostrar seu imóvel para um corretor, pois sua casa ou apartamento será avaliado por um preço melhor. No mercado imobiliário americano, berço da carreira, de cada dez imóveis vendidos, cerca de oito foram remodelados pelos serviços de home staging. Você já colocou seu imóvel à venda? Como saber se você precisa de um profissional do home staging? Em média, uma consulta inicial de home staging para apartamentos pequenos custa 70 reais. A cobrança pelo serviço pode se dar com base nas horas trabalhadas pelo profissional contratado ou de acordo com um percentual do valor de venda do imóvel. Entre em contato para saber como podemos ajudá-lo a melhor vender o seu imóvel.

 Retrofit da fachada de uma edificação antiga: trabalho de pintura e iluminação foi feito para valorizar o edifício.

Fonte: Adaptação a partir de notícia da Exame.com